Delegada diz que Felipe Prior será intimado para depor em caso de estupro na próxima semana

- PUBLICIDADE -

Em entrevista à Marie Claire, a delegada Maria Valéria Pereira Novaes, da 1ª Delegacia de Defesa da Mulher de São Paulo, disse que o ex-BBB20 Felipe Prior será intimado a depor pela investigação dos supostos estupros na próxima semana. Ela também desmentiu que o arquiteto possa ser preso a qualquer momento.

Felipe Prior deve prestar depoimento na semana que vem
Felipe Prior deve prestar depoimento na semana que vem – Imagem: Reprodução

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

“Não existe nenhuma possibilidade de eu pedir a prisão dele [Felipe Prior]. Não tem nem porquê, ao menos não pelo que temos até então. Esse caso em particular depende muito do que o Ministério Público e a Justiça entender o que é cabível. Inclusive porque os supostos crimes são mais antigos [teriam acontecido em 2014, 2016 e 2018]. Tem que haver uma motivação – ameaças, por exemplo – para eu pedir prisão. No momento estamos na apuração dos fatos e na junta de elementos. A Polícia Civil não tem interesse algum em pender para um lado ou outro. Não fazemos juízo de valor. Meu papel é investigar e entregar tudo para a apreciação da Justiça”, disse a delegada.

A investigação tem levado em conta as três denúncias feitas por diferentes mulheres. Uma quarta moça procurou a mesma advogada que representa as outras, supostas, vítimas para relatar que também teria sido, supostamente, estuprada por Felipe Prior. Contudo, a última denúncia não está sendo levada em consideração, ainda.

“Ela não está na ficha crime que nos encaminharam. Por enquanto, não está no inquérito que presido. O que sei é que essa nova vítima apareceu depois da reportagem publicada por vocês”, disse Maria Valéria, à Marie Claire.

Primeiro caso

Themis narra que Felipe Prior teria tentado tirar sua roupa e aberto a própria calça, deixando sua genital para fora. Como ela estava embriagada, disse que não conseguiu resistir fisicamente, mas teria dito diversas vezes que não queria ter relações sexuais.

De acordo com o documento obtido com exclusividade pela Marie Claire, Themis narra que Felipe Prior teria  reagido aos gritos dizendo “para de ser fresca, no fundo você quer, não é hora de se fazer de difícil” e, diante das negativas de Themis, insistido: “quer sim”. Neste momento, Felipe teria, supostamente, estuprado a jovem em seu carro e só parou quando a machucou.

Após o suposto estupro, Themis relatou a mãe que estava com um ferimento em suas partes íntimas e que sentia dor. “A mãe pediu à filha que se deitasse e olhou, e notou um corte de cerca de três dedos de comprimento na região genital da filha, profundo o suficiente para chegar até o músculo. A filha da declarante relatava muita dor e o sangramento estava muito intenso”, relata o documento.

Segundo caso

A advogada descreve o suposto caso como crime de tentativa de estupro, praticado em setembro de 2016, durante os jogos universitários Interfau, contra a vítima Freya (também pseudônimo). Ela descreve que Felipe Prior teria tentando conter a vítima fisicamente por meio do uso da força, mas não conseguiu e a vítima escapou.

Terceiro caso

O terceiro relato é de crime de estupro, supostamente, praticado durante os jogos Interfau em setembro de 2018, tendo como vítima a testemunha protegida sob o pseudônimo Ísis. A jovem descreve que Felipe Prior teria tentando se aproveitar de sua embriaguez para ter relações sexuais, com uso de violência física, mesmo diante do choro e gritos da vítima.

De acordo com o relato de Ísis, protocolado no documento que acusa Felipe Prior de estupro, a jovem só teria conseguido deixar o local no dia seguinte e testemunhas teriam ouvido seus gritos pedindo pra que ele, supostamente, parasse.

Quarto caso

Felipe Prior foi acusado por outra, suposta, vítima de estupro. O novo relato do suposto estupro cometido por Felipe Prior teria acontecido em 2015, no entanto, as circunstâncias e detalhes do ocorrido não foram revelados.

Felipe Prior nega acusações

Felipe Prior nega as acusações através de nota assinada por seus advogados, Carolina Tieppo Pugliese Ribeiro, Rafael Tieppo Pugliese Ribeiro e Celly F. de Mesquita Prior.

“Felipe Prior nega todas as falsas acusações disseminadas contra ele e reafirma sua inocência. Felipe Prior jamais cometeu qualquer ato de violência sexual. A equipe jurídica de Felipe Prior está empenhada e tomará todas as medidas cabíveis para refutar todas as acusações. Reiteramos: o crime que existe é cometido por anônimos que o acusam e por aqueles que difundem essas acusações, causando prejuízos à sua integridade e à sua imagem.”

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Leia também

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.

Prosseguir