Parlamentar faz moção ao governo de SP pedindo mais policiais civis em Piracicaba e região

“Os reflexos desse sucateamento são sobrecarga de trabalho, acúmulo de funções e trabalho em escala de sobreaviso durante todo o mês, sem descanso”, afirma

- PUBLICIDADE -

Por conta do déficit de policiais civis não apenas em Piracicaba, mas em toda a região, o vereador Marcos Abdala encaminhou uma moção ao governador do Estado de SP, João Dória, pedindo para que o efetivo da corporação seja recomposto. A moção foi aprovada pela Câmara de Vereadores do município na reunião extraordinária da última quinta-feira (13).

Uma foto que mostra uma viatura da Polícia Civil
Foto: Polícia Civil.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O vereador cita que as cidades que compõem o Deinter-9 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), sediado em Piracicaba, têm o maior déficit de policiais civis de todo o Estado de São Paulo. A região, diz o parlamentar, deveria ter 1.897 profissionais “para prestar serviço adequado à população e oferecer boas condições de trabalho, mas faltam pelo menos 853 policiais, um déficit de 45%.”

O índice é maior que a média de todo o Estado, que fica em 34%. Atualmente, toda a região de Piracicaba conta com 1.044 cargos ocupados, entre delegados, investigadores, escrivães, agentes policiais, agentes de telecomunicações, papiloscopistas e auxiliares de papiloscopista. Os dados para o cálculo são fornecidos pela Secretaria de Segurança Pública e referem-se ao número de policiais em atividade até dezembro de 2018.

A defasagem de cada região, explica o vereador, é calculada levando em consideração o número de policiais previsto em lei e a quantidade de cargos ocupados. “Os reflexos desse sucateamento são sobrecarga de trabalho, acúmulo de funções e trabalho em escala de sobreaviso durante todo o mês, sem descanso”, afirma.

“Um policial civil, por exemplo, é obrigado a cumprir a função de quatro ou cinco. Dessa forma, normas do direito internacional do trabalho são frontalmente desrespeitadas, pois não se permite ao profissional o direito ao descanso. Ele fica 24 horas de sobreaviso o mês inteiro”, analisa o parlamentar na moção de apelo 87/2020.

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Leia também

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.

Prosseguir