Procon fiscaliza estabelecimentos comerciais na região central de Piracicaba

A fiscalização teve início na última quinta-feira, dia 13; o shopping da cidade também será fiscalizado

- PUBLICIDADE -

O Procon já iniciou a fiscalização nos estabelecimentos comerciais do Centro de Piracicaba, com o objetivo de se fazer cumprir as regras do Decreto Nº 18.379, que colocou a cidade na fase 3 (amarela) do Plano SP de combate ao coronavírus (Covid-19).

Uma foto que mostra a fiscalização no Centro de Piracicaba
Foto: Divulgação.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

De acordo com a Prefeitura do município, o Procon está, desde a semana passada, fiscalizando os estabelecimentos comerciais nos principais logradouros do Centro — nas ruas Governador, Rosário e Benjamin Constant. Nos próximos dias, os fiscais deverão visitar as lojas do Shopping Piracicaba e o comércio nos bairros.

Os fiscais constataram que a grande maioria dos comerciantes está seguindo as orientações, com disponibilização de álcool gel 70%, exigência do uso de máscara pelos clientes/funcionários e a afixação do termo de responsabilidade em local visível, além do respeito ao número de pessoas dentro do estabelecimento.

“Os lojistas estão respeitando todas as regras e isso é muito importante. Nossos fiscais percorreram as ruas Governador, Rosário e Benjamin Constant e fizeram apenas 10 orientações. A maioria estava com tudo em ordem. Essa operação vai perdurar para que Piracicaba progrida à fase 4”, elogiou Milton Sérgio Bissoli, procurador-geral do município e responsável pelo Procon.

Bissoli disse também que neste primeiro momento a fiscalização é apenas orientativa. Porém, caso os estabelecimentos insistam em não respeitar as orientações, o proprietário pela local poderá ser autuado, além de ter o alvará cassado. Além disso, a multa pode ir de 10 a 10.000 UFESP — sendo que cada UFESP vale R$ 27,61 reais. O proprietário pode ainda responder criminalmente, de acordo com o Artigo 268 do Código Penal, em caso de descumprimento às ordens das autoridades de saúde, com detenção de um mês a um ano e multa.

Denúncias ao Procon também podem ser feitas pelos telefones 151 e (19) 3433-3974.

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Leia também

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.

Prosseguir