Vereador Dirceu Alves é denunciado por extorsão e vantagem indevida

- PUBLICIDADE -

A Câmara de Vereadores de Piracicaba informou no dia 26 de setembro de 2018, por meio de uma nota oficial, que o vereador Dirceu Alves da Silva e sua ex-assessora de relações públicas, Tayne da Silva Souza, encontravam-se sobre investigação no Departamento de Assuntos Jurídicos.

Piracicaba
Foto: Fabrice Desmonts

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A ex-assessora de relações públicas disse na época que foi assediada e que teve que dividir com o vereador metade de seu salário recebido na Câmara. O advogado da vítima, Homero de Carvalho, disse que Tayne entregou à Casa de Leis uma carta de próprio punho relatando todo o ocorrido e um áudio contendo um suposto diálogo entre ela e Dirceu Alves. A vítima também relata ter sido assediada sexualmente pelo parlamentar, ocasião em que ele a convidou para conversarem tranquilamente num lugar calmo.

Em nota, a Câmara disse que o então presidente da mesa diretora, Matheus Erler, recebeu do vereador Dirceu Alves da Silva um documento com suposta coação por parte de sua ex-assessora.

“Diante da gravidade dos fatos, o presidente remeteu imediatamente toda a documentação referente aos fatos ao Departamento de Assuntos Jurídicos, decretando a momentânea confidencialidade à tramitação, a fim de que a apuração transcorra permeada de todas as garantias e direito ao contraditório, e que se proceda com as orientações cabíveis à presidência e à Comissão de Ética e Decoro Parlamentar”, finaliza a nota da Câmara, encaminhada à imprensa Piracicabana em setembro de 2018.

Extorsão e concussão (vantagem indevida)

Nesta terça-feira (05), o advogado Homero de Carvalho entrou em contato com o Jornal PIRANOT para informar que o Ministério Público (MP) de Piracicaba ofereceu à Justiça, a denúncia de extorsão e concussão (exigir para si vantagem indevida) contra Dirceu Alves. O vereador é acusado de exigir metade do salário de uma ex-assessora e de ameaçar de demissão outro ex-assessor caso ele não concordasse com a proposta de divisão do salário.

O pedido foi protocolado na 2ª Vara Criminal, nesta segunda-feira (04) e a decisão da Justiça deve sair em oito dias.

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Leia também

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.

Prosseguir